Documental São Paulo - SP

O dia que o Gui foi pra casa

Eu estava em SP, na loucura da mudança de Belém para Curitiba, e preferi não divulgar que  estava na cidade porque eu tinha um milhão de coisas pra resolver.  Mas - e sempre me permito a ouvir esses "mas" - a Beatriz me chamou e contou que o bebê dela ia sair da UTI e que não podia pensar em outra pessoa pra registrar esse momento.

A história dessa família não começou no dia que fui fotografá-los, ela começou bem antes, quando o Guilherme resolveu conhecer o mundo aqui fora com somente 23 semanas de gestação e pesando apenas 530 gramas. Ele era o menor bebê prematuro extremo dos últimos tempos naquela UTI. 

Esse é parte do depoimento da Bea:

"Nesse tempo eu tive a pior sensação que uma mãe pode ter, que foi não querer me apegar ao meu filho, pois tinha na minha mente que ele não sobreviveria. Dia após dia ele foi me mostrando o contrário, me mostrou a força que tinha, até que a mágica aconteceu, nos apegamos. O que esse mundo da prematuridade me ensinou? A amar acima de tudo, a torcer por outras famílias. Somos carentes ali, nosso amigo mais próximo é o medo! Cada vitória é comemorada como se fosse nossa, cada evolução, cada exame que sai com um bom resultado."

Dizem que quanto maior a luta, maior a vitória. O Gui sobreviveu!

Ele saiu pela porta da frente do hospital ao som de uma musica suave, vestindo uma roupinha de superman enquanto foi carregado por algumas das enfermeiras que o acompanhou em todo o processo. Ao fundo estavam os pais, super emocionados, que vinham abraçando aquele time tão necessário de apoio. Essa família foi aplaudida de pé em um corredor formado por pessoas que agora fazem parte da sua história.

Que emoção minha gente! Tive que tirar a camera do rosto algumas vezes e tentar manter o foco, já que o nó na garganta era inevitável.

Uma lição que tiro disso tudo?!

A mensagem que eles carregavam nas camisetas e no coração. 

Tenha fé!